Cúria Diocesana (48) 3433.6313 Catedral São José (48) 3433.1079 imprensa@diocesecriciuma.com.br

Comarcas estudarão acompanhamento personalizado para o Matrimônio

Data de Publicação
11
2018
09
Terça-feira
13h05
11 de Setembro de 2018 13h05

Nos dias 11 e 12 de setembro, a Diocese de Criciúma realiza a segunda fase de estudos por núcleo, reunindo, em dois grupos, suas sete comarcas pastorais. O tema da vez é o "Acompanhamento Personalizado de Casais que buscam o Sacramento do Matrimônio" e será assessorado pelo casal coordenador regional da Pastoral Familiar, Cleuton e Simone Gomes, da Diocese de Tubarão.
 
A atividade foi assumida como uma das primeiras estratégias do Projeto de Ação Pastoral da Diocese para o biênio 2018-2019, indicada na urgência 2 do Plano Diocesano de Pastoral. Na terça-feira, 11, o estudo reúne as comarcas de Criciúma, Içara, Nova Veneza e Urussanga, na Paróquia Santa Bárbara, em Criciúma. Na quarta-feira, 12, o estudo será para as comarcas de Araranguá, Turvo e Santa Rosa do Sul e será realizado na Paróquia Sagrada Família, em Araranguá.
 
O público alvo dos estudos nucleares inclui membros dos conselhos comarcais de pastoral, equipes de animação paroquial e agentes ligados à preparação para o Matrimônio e demais lideranças convidadas.
 
"Esses estudos nos prepararão para a Assembleia Diocesana de Pastoral. Sendo aprovada, a preparação para o Matrimonio não será mais em forma de curso de um dia - o chamado 'curso de noivos'. Deverá ser de forma personalizada, em pequenos grupos, realizada em seis ou oito encontros de uma hora, num período de seis meses anterior à cerimônia de casamento. Os responsáveis pelos encontros serão chamados de catequistas e terão a missão de preparar o casal para a vida sacramental e a participação na Igreja. Experiências de outras dioceses, que já realizam esse tipo de atividade, mostram que os resultados são muito melhores e quem participou da formação personalizada atribuiu a ela o seu engajamento na comunidade. A preocupação da Igreja hoje não está mais focada no número e sim na pessoa, por isso, quanto mais personalizada for a formação, melhor", explica o Coordenador Diocesano de Pastoral, padre Joel Sávio.