Cúria Diocesana (48) 3433.6313 Catedral São José (48) 3433.1079 imprensa@diocesecriciuma.com.br

4. Igreja, lugar da formação

103. Na Igreja de Jesus Cristo, os discípulos missionários procuram aprofundar-se no conhecimento da Palavra de Deus e dos conteúdos da fé. Nela cultiva-se o discipulado, a aprendizagem, que tem seu ponto de partida na iniciação cristã. “A iniciação cristã, que inclui o querigma, é a maneira prática de colocar alguém em contato com Jesus Cristo e iniciá-lo no discipulado” (DAp, n. 288).

104. Cinco aspectos fundamentais se destacam no processo de formação de discípulos missionários:
a) O Encontro com Jesus Cristo: Aqueles que serão seus discípulos já o buscam (cf. Jo 1,38);
b) A Conversão: Resposta inicial de quem escutou o Senhor com admiração, crê nele pela ação do Espírito;
c) O Discipulado: A pessoa amadurece constantemente no conhecimento, amor e seguimento de Jesus Mestre;
d) A Comunhão: O discípulo participa na vida da Igreja e no encontro com os irmãos;
e) A Missão: A missão é inseparável do discipulado.

4.1. A Iniciação Cristã

105. A Iniciação Cristã dá a possibilidade de uma aprendizagem gradual no conhecimento, no amor e no seguimento de Cristo. É uma oportunidade de fortalecer a unidade dos três sacramentos da iniciação: Batismo, Confirmação e Eucaristia e aprofundar o rico sentido entre eles. Refere-se à primeira iniciação no mistério da fé, seja na forma do catecumenato batismal para os não batizados, seja na forma do catecumenato pós-batismal para os batizados não suficientemente catequizados.

106. Cada tempo e cada lugar têm um modo característico para apresentar Jesus Cristo e suscitar nos corações o seguimento. “A admiração pela pessoa de Jesus, seu chamado e seu olhar de amor despertam uma resposta consciente e livre desde o mais íntimo do coração do discípulo”. A adesão a Jesus Cristo implica anúncio, apresentação, proclamação (cf. CNBB, DGAE 2011-2015, n. 38).

107.
Em outras épocas, a apresentação de Jesus Cristo se dava através de um mundo que se concebia cristão. Família, escola e sociedade ajudavam a se inserir na cultura, apresentando também a pessoa e a mensagem de Jesus Cristo. Com as mudanças a realidade não é mais a mesma. Esta é a razão pela qual cresce o incentivo à Iniciação à vida cristã, “grande desafio que questiona a fundo a maneira como estamos educando na fé e como estamos alimentando a experiência cristã”. Trata-se de “desenvolver, em nossas comunidades, um processo de iniciação à vida cristã que conduza a um encontro pessoal com Jesus Cristo”, atitude que deve ser assumida em todo o continente latino-americano (cf. CNBB, DGAE 2011-2015, n. 39-40).

4.2. Catequese Permanente

108. A formação tem ponto de partida, mas não tem ponto de chegada, pois a formação é contínua, a catequese é permanente. As atuais necessidades, urgências e desafios “requerem clara e decidida opção pela formação dos membros de nossas comunidades, a favor de todos os batizados, qualquer que seja a função que desenvolvem na Igreja” (DAp, n. 276). A formação permanente é um elemento constitutivo da vida e missão do discípulo missionário para que possa dar conta da própria esperança diante da realidade que o cerca, comunicando-se, avaliando e deixando-se avaliar como instrumento transformador da sociedade. A “missão principal da formação é ajudar os membros da Igreja a se encontrar sempre com Cristo, e assim reconhecer, acolher, interiorizar e desenvolver a experiência e os valores que constituem a própria identidade e missão cristã no mundo” (DAp, n. 279).

109. “A catequese não pode se limitar a uma formação meramente doutrinal, mas precisa ser uma verdadeira escola de formação integral” (DAp, n. 299). Além do critério de uma formação permanente, o Documento de Aparecida assinala que a mesma deve ainda acontecer de forma atenta às diversas dimensões: a humana e a comunitária, a espiritual e a intelectual, a pastoral e a missionária, num processo dinâmico e gradual, com ternura e dedicação, pois para “chegar à altura da vida nova de Cristo, identificando-se profundamente com Ele e sua missão, é um caminho longo que requer itinerários diversificados, respeitosos dos processos pessoais e dos ritmos comunitários” (DAp, n. 281).

4.3. Igreja: lugar de Animação Bíblica da Vida e da Pastoral

110. “Toda Escritura é inspirada por Deus e é útil para ensinar, para argumentar, para corrigir, para educar conforme a justiça” (2Tm 3,16). Deus se dá a conhecer no diálogo que estabelece conosco. “Quem conhece a Palavra divina conhece plenamente também o significado de cada criatura” (cf. CNBB, DGAE 2011-2015, n. 44).

111. Vinculado à iniciação à vida cristã, o atual momento da ação evangelizadora convida o discípulo missionário a redescobrir o contato pessoal e comunitário com a Palavra de Deus, como lugar privilegiado de encontro com Jesus Cristo. “Na alvorada do terceiro milênio, não só existem muitos povos que ainda não conheceram a Boa Nova, mas há também muitos cristãos que têm necessidade que lhes seja anunciada novamente, de modo persuasivo, a Palavra de Deus, para poderem assim experimentar concretamente a força do Evangelho”. Deste modo, iniciação à vida cristã e Palavra de Deus estão intimamente ligadas. Uma não pode acontecer sem a outra, pois “ignorar as Escrituras é ignorar o próprio Cristo” (cf. CNBB, DGAE 2011-2015, n. 45-46).

112. São vários os métodos de leitura da Bíblia. A Conferência de Aparecida destacou a Leitura Orante como caminho para o encontro com a Palavra de Deus. Nela, o discípulo missionário acolhe a Palavra como dom, mergulha na riqueza do texto sagrado e, sob o impulso do Espírito, assimila esta Palavra na vida e na missão (cf. CNBB, DGAE 2011-2015, n. 52).

113. O discípulo missionário compreende a expressão do salmista, quando diz que a Palavra de Deus é luz para sua vida (Sl 119,105). Ao fazer esta experiência, ele une profundamente sua palavra à Palavra de Deus. Reza com a Palavra, reza a Palavra. Eis por que podemos dizer que a animação bíblica de toda a pastoral vai além de uma pastoral bíblica especializada, quer nos conduzir a uma iluminação bíblica de toda a vida, porque é um caminho de conhecimento e interpretação da Palavra, um caminho de comunhão e oração com a Palavra, e um caminho de evangelização e proclamação da Palavra (cf. CNBB, DGAE 2011-2015, n. 53).

4.4. A Inculturação

114. Fazer o Evangelho penetrar no dia a dia de um povo, de modo que este povo consiga expressar sua experiência de fé em sua própria cultura, é o que chamamos de inculturação. A inculturação é um processo que “integra tanto a mensagem cristã como a reflexão e a práxis da Igreja” (RM, n. 52), conduzida pelo Espírito como uma exigência do seguimento de Jesus. Ser uma Igreja inculturada significa assimilar o essencial da mensagem evangélica respeitando os reais valores das diferentes culturas.

115. A formação dos discípulos missionários na Igreja de Jesus Cristo é sempre inculturada. “Com a inculturação da fé, a Igreja se enriquece com novas expressões e valores, manifestando e celebrando cada vez melhor o mistério de Cristo, conseguindo unir mais a fé com a vida e assim contribuindo para uma catolicidade mais plena, não só geográfica, mas também cultural” (DAp, n. 479). Por isso, na Igreja – a catequese, liturgia, a moral, as instituições etc. – tudo deve ser inculturado. A própria Igreja deve ser inculturada, a exemplo da encarnação de Jesus, o Filho de Deus, que vem do Pai e se insere na história humana, partilhando de sua fragilidade, marcada pelo sofrimento, pelo pecado e pela morte, assumindo-a para redimi-la. Na Galileia, Jesus assumiu o modo de viver, percebeu as potencialidades existentes naquele povo e naquela cultura, bem como as contradições e os conflitos e construiu, com os homens e as mulheres, o caminho do Reino de Deus (DAESC 2009-2011, n. 30).